Olá! Hoje vamos falar sobre um produto desenvolvido pela Equipa do Portal Gestão, e que se oferece como uma mais valia para a sua empresa: Conectores SAFT para Power BI.

A rentabilidade do capital investido é um indicador do desempenho dos capitais totais investidos na empresa, independentemente da sua forma de financiamento. É, por isso, um indicador utilizado para comparações de desempenho de empresas sujeitas a nível de risco de negócio similar.
 

Ter liquidez significa ter disponibilidade de dinheiro ou a possibilidade de o obter com facilidade para satisfazer os compromissos que estão a vencer no imediato. Esta é analisada e trabalhada todos os dias de modo a garantir que existe tesouraria adequada a todo o momento para pagar as dívidas que se vão vencendo no dia a dia da empresa.

Os ficheiros SAFT (Standard Audit File for Tax Purposes) são ficheiros normalizados que guardam muitos dados úteis sobre a atividade de uma empresa, como a faturação, os clientes, fornecedores, produtos, preços, entre muitos outros. Por serem uma obrigação fiscal, os sistemas informáticos de faturação e contabilidade geram automaticamente este tipo de ficheiros para que sejam posteriormente entregues à Autoridade Tributária. Mas como contêm dados muito interessantes do ponto de vista do desempenho da empresa, porque não utilizá-los também como suporte à tomada de decisões de gestão?

Todas as empresas operam com um determinado nível de risco de negócio, relacionado com a incerteza inerente às projeções do resultado operacional, devendo-se isto à incapacidade de a empresa conseguir prever com exatidão o seu volume de negócios futuro, bem como todos os custos decorrentes da sua atividade operacional. São necessários, então, instrumentos que permitam medir o risco de negócio e sejam um auxílio ao gestor na procura de maior estabilidade possível. Neste artigo, iremos abordar um desses instrumentos – o Grau de Alavancagem Operacional.

No artigo anterior, desenvolvemos a importância de, na demonstração de resultados de uma empresa, ir mais além do que a simples utilização dos resultados líquidos para aferir a situação económica e financeira da empresa. Percebemos que através da análise vertical, é possível aferir a estrutura de custos da empresa – quer em proporção dos custos totais, quer em proporção do seu volume de negócios – e, assim, perceber de que forma a empresa afeta os recursos no decorrer da sua atividade. A análise horizontal (ou temporal) propiciará, por sua vez, uma visão complementar à técnica anterior.

Como saber se uma empresa está em risco de falência? Para dar resposta a esta pergunta são calculados e analisados várias rácios e indicadores de atividade, de equilíbrio financeiro, de rentabilidade e até de risco. A análise de cada um destes indicadores é única e reflete uma posição relativa da saúde financeira da empresa. Pode até acontecer que o resultado de um indicador seja contrário ao resultado de outro, pelo que não é fácil compreender o conjunto de resultados de forma integrada.

A análise de rácios não permite retirar conclusões sobre o desempenho das empresas, mas antes entender a sua evolução em determinados contextos. As tomadas de decisão devem ter por base a análise e interpretação dos indicadores económico-financeiros, observados ao longo do tempo, e tendo por comparação a análise setorial e dos concorrentes, apoiadas na leitura das demonstrações financeiras.

Gerir implica tomar decisões. Mas só as boas decisões, isto é, decisões com impacto positivo na performance das empresas ou organizações, é que importam. Quer seja a planear ou a controlar, ninguém quer ser o responsável por ter tomado uma decisão errada com base em pressupostos errados.
Hoje em dia é mais fácil evitar esta situação, pois temos a tecnologia como nossa aliada, principalmente nos ambientes empresariais em que nos inserimos. Todas as empresas têm decisores e todas têm, ou podem ter, acesso a instrumentos que apoiam a tomada de decisão. No dia-a-dia podemos recorrer de forma fácil a vários recursos tecnológicos que nos facilitam o trabalho e dão garantias de menos erros e de mais produtividade.
Os produtos do Portal Gestão, criados com a finalidade de ajudar os seus utilizadores no desempenho das suas atividades profissionais, são de simples utilização e de grande utilidade.
Certamente que vai otimizar os seus resultados e aumentar a sua produtividade.
Eis, então, as ferramentas que temos para si.

Uma questão muito pertinente quando procuramos aumentar o lucro da empresa é a do product-mix. Qual a combinação ótima de produtos a produzir e vender que maximiza os resultados e simultaneamente satisfaz a procura? A resposta requer uma contabilidade analítica capaz de determinar margens de contribuição por produto e um pouco mais: requer um modelo de otimização que por “tentativa e erro” chegue não só a uma solução possível mas principalmente à solução ótima.