O Balanced Scorecard é uma poderosa ferramenta de comunicação e alinhamento de toda a organização. Esta ferramenta estratégica de gestão permite descrever e implementar a visão estratégica das organizações através de todas as suas unidades ou departamentos, ao longo da sua estrutura hierárquica. Para a sua máxima eficácia, os scorecards, de todas as unidades ou departamentos, deverão estar relacionados e alinhados entre si, descrevendo assim, as sinergias criadas pela interação das diferentes atividades de todas as unidades ou departamentos.

A visão estratégia da organização não é uma iniciativa isolada do processo de gestão mas sim a tradução da missão da organização. A visão estratégica é um passo na caminhada que orienta a organização do mais alto nível (missão) até ao desempenho das atividades pelos colaboradores considerando a todo o momento as alterações às condições do mundo real.

Assumindo que os seus produtos ou serviços são diferenciáveis e que não está no mercado como um “price-taker”, há uma política de determinação de preços de venda que maximiza o lucro. Há também uma série de estratégias comerciais que combinam a determinação conjunta de vários produtos complementares que otimizam significativamente os resultados. Encontrar o preço certo é um misto de arte e ciência para a maioria das empresas. Mas para aquelas que dispõem das ferramentas de gestão adequadas pode ser muito mais do que isso…

Na construção do Balanced Scorecard, que indicadores escolher para cada uma das suas quatro perspetivas? 

Num perfeito equilíbrio de todas as perspetivas, o Balanced Scorecard permite traduzir a visão estratégica da organização através de objetivos e indicadores que conduzirão a organização aos resultados desejados no futuro.

Neste artigo, volto a analisar o orçamento para demonstrar como pode ser uma ferramenta de gestão credível e com valor. Poucas empresas adotam o orçamento flexível, normalmente contruído a partir de custos-padrões, para analisar desvios e orientar a tomada de decisões de gestão. Este formato de orçamento adapta-se a situações em que o nível de atividade real difere significativamente do nível de atividade previsto mantendo-se válido quanto a pressupostos fundamentais de custos e rentabilidade. Uma outra grande vantagem é a de dispensar a criação de orçamentos retificativos ao longo do ano.

O controlo de gestão é mais sobre pessoas do que números (e do que controlo, no sentido estrito da palavra, como se alguém na empresa se encarregasse exclusivamente de controlar os restantes colegas ou a gestão). É sobre o comportamento humano que devem incidir os vários instrumentos e metodologias de controlo de gestão. E se devidamente aplicados, esses instrumentos e metodologias, deverão contribuir para a motivação, a responsabilização e a recompensa de todos os colaboradores na consecução dos objetivos supremos da organização. O sistema de custeio é uma dessas ferramentas de gestão que mais impacto tem na avaliação da performance e que é frequentemente mal compreendido e mal utilizado em muitas empresas pelo que vale a pena revisitar.

Neste início de ano, em que as empresas olham o futuro com renovada ambição, é importante avaliar a eficácia do orçamento, não só do ponto de vista do seu efeito no comportamento humano mas também como processo consumidor de valiosos recursos. O orçamento continua a ser uma das peças mais importantes para a gestão das empresas. Mas continua a ser, de todas, a ferramenta de gestão vista com mais ceticismo (cinismo?) por colaboradores a todos os níveis da organização. O orçamento deslizante, ou de base móvel, oferece uma série de benefícios que estão perfeitamente ao alcance de todo o tipo de organizações.

30 dezembro 2016

E book Power BI

O principal objetivo do BI é apoiar a tomada de decisões de gestão. Quando os gestores dispõem de informação relevante e tempestiva tomam melhores decisões com grandes benefícios associados. 

O Power BI é a revolucionária tecnologia que permite descobrir e analisar a informação já existente na sua organização de uma forma inteiramente nova.

Na construção de modelos financeiros em Excel, um dos desafios mais comuns é o cálculo das depreciações de investimentos em ativos fixos tangíveis. Não me refiro ao cálculo das depreciações do investimento inicial, que são normalmente simples de calcular, mas ao cálculo das depreciações de todo o investimento, incluindo o de substituição. Com as fórmulas OFFSET ou INDEX esta tarefa pode ser muito facilitada.