Introdução ao novo Sistema de Normalização Contabilística

Escrito por 

O novo Sistema de Normalização Contabilística (SNC), tema de conhecimento generalizado e de forte discussão nos meios de comunicação, académicos e empresariais, é o mais recente paradigma da disciplina portuguesa em matéria de contabilidade.
Com entrada em vigor em 1 de Janeiro de 2010, este modelo constitui a reacção nacional à evolução comunitária.

 

A aproximação à União Europeia

No decurso do processo europeu de harmonização contabilística, o Regulamento 1606/2002, do Parlamento Europeu e do Conselho, instituiu a obrigatoriedade de aplicação das Normas Internacionais de Contabilidade (NIC) e interpretações conexas para as empresas cotadas, ao nível das suas contas consolidadas.

Não obstante, esse documento concedia liberdade a cada Estado Membro para legislar para as restantes empresas.

Portugal exerceu a sua opção no Decreto-Lei 35/2005, tornando obrigatória a adopção das NIC nas contas consolidadas de empresas com valores mobiliários negociados em mercados regulamentados e tornando extensível essa possibilidade a outras entidades (contas consolidadas de empresas não cotadas e contas individuais de empresas cujas contas consolidadas adoptem as NIC, desde que as demonstrações financeiras fossem objecto de certificação legal de contas).

Resposta nacional - SNC

Em Julho de 2007, a Comissão de Normalização Contabilística (CNC) apresentou e submeteu a apreciação governamental o (ainda) projecto "SNC".
Dada a complexidade e exigência da transição para o SNC, colocou-se o projecto em consulta pública destinada à recolha de sugestões e contributos de aperfeiçoamento e em audição pública durante 60 dias.
Esse processo culminou com a publicação do Decreto-Lei 158/2009, que aprova o SNC, bem como do Decreto-Lei 159/2009, que adapta o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (CIRC) às NIC e ao SNC.

Estrutura geral do SNC

Em termos básicos, este modelo assenta em Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro (NCRF), aderentes ao modelo do "International Accounting Standards Board" (IAS adoptado na União Europeia, e revoga o Plano Oficial de Contabilidade (POC) e legislação complementar.
Em termos formais, é definido no DL 158/2009, já anteriormente mencionado, e seu Anexo, de 13 de Julho, que fornecem a sua apresentação geral, as bases para a apresentação de demonstrações financeiras e seus modelos, o código de contas, as normas interpretativas, as NCRF e a Norma Contabilística e de Relato Financeiro para pequenas entidades (NCRF-PE).

Algumas especificidades do SNC

Em termos de âmbito, o SNC aplica-se às sociedades abrangidas pelo Código das Sociedades Comerciais, empresas individuais reguladas pelo Código Comercial, estabelecimentos individuais de responsabilidade limitada, empresas públicas, cooperativas, agrupamentos complementares de empresas e agrupamentos europeus de interesse económico, bem como a outras entidades que, por legislação específica, se encontrem sujeitas ao POC ou venham a estar sujeitas ao SNC.
À semelhança do que ocorre no POC, as entidades que, exercendo a título individual qualquer actividade comercial, industrial ou agrícola, não realizem na média dos últimos três anos um volume de negócios superior a cento e cinquenta mil euros, estão dispensadas da sua aplicação (regime de contabilidade não organizada).

O Decreto-Lei individualiza ainda que entidades estão obrigadas e dispensadas de elaborar contas consolidadas, bem como as exclusões da consolidação.

São igualmente estabelecidas as condições para que entidades que não ultrapassem dois de três limites - total de balanço de quinhentos mil euros, total de vendas líquidas e outros rendimentos de um milhão de euros e número de trabalhadores empregados em média durante o exercício de 20 - e cujas contas não estejam obrigatoriamente sujeitas a certificação legal de contas, possam optar por não aplicar o conjunto total de NCRF, mas apenas a NCRF-PE.
Contudo, se a pequena entidade integrar o perímetro de consolidação de uma entidade que apresente demonstrações financeiras consolidadas, aquela não pode aplicar o regime previsto na NCRF-PE.

No tocante às demonstrações financeiras, estão as empresas sujeitas à apresentação do Balanço, Demonstração de Resultados por Naturezas (a Demonstração de Resultados por Funções é facultativa), Demonstração das Alterações no Capital Próprio, Demonstração dos Fluxos de Caixa (método directo) e Anexo.
As pequenas entidades apenas estão obrigadas a apresentar o Balanço, a Demonstração de Resultados por Naturezas e o Anexo, dada a sua menor exigência de relato (modelos reduzidos).
As demonstrações financeiras devem ser elaboradas tendo em conta os princípios de continuidade, periodização económica, consistência, materialidade, não compensação (em regra, entre activos e passivos e rendimentos e ganhos) e informação comparativa (para todas as quantias inscritas nas demonstrações financeiras, quando relevante), tam como em POC.

É identicamente consagrada a imperatividade de adopção do sistema de inventário permanente (com dispensas idênticas às actuais).

O novo Plano de Contas, crucial peça deste sistema, aspira responder às cada vez maiores exigências de registo contabilístico, evitando a mecanização e proclamando o conhecimento da essência dos conceitos e das normas. Permanece a uniformidade de processos e da informação de prestação de contas (manutenção da tradição organizativa do POC), mas atribui-se uma margem significativa de flexibilidade para o reconhecimento de complexas e variadas realidades ao abrigo das normas.
As contas estão agrupadas em oito classes - 1. Meios Financeiros Líquidos, 2. Contas a Receber e a Pagar, 3. Inventários e Activos Biológicos, 4. Investimentos, 5. Capital, Reservas e Resultados Transitados, 6. Gastos, 7. Rendimentos e 8. Resultados - e apresentam algumas diferenças de utilização e movimentação.
Por exemplo, há activos financeiros (instrumentos financeiros) repartidos pelas classes 1 e 4, a classe 2 passa a incluir os acréscimos e diferimentos, surgem os conceitos de imparidade e justo valor, entre outros aspectos.

No tocante às normas interpretativas, estas serão produzidas para esclarecimento e/ou orientação sobre os conteúdos dos restantes componentes do SNC.

Os instrumentos por excelência do SNC - as NCRF e a NCRF - PE

As NCRF constituem uma adaptação das NIC seguidas na União (embora nem todas estejam consagradas) que pretende ter em conta as características do tecido empresarial português. Poderão dispensar a aplicação de determinados procedimentos e divulgações exigidos nas NIC, mas garantindo, no essencial, os critérios de reconhecimento e mensuração nelas contidos.
São 28 normas propostas pela CNC, publicadas como Avisos no Diário da República, e de aplicação obrigatória a partir da data de eficácia indicada em cada uma delas.

A listagem que se segue ilustra as NCRF e a sua comparação com as normas do IASB ("International Accounting Standards" - IAS - e "International Financial Reporting Standards" - IFRS).

Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro vs. Normas IASB

1. Estrutura e Conteúdo das Demonstrações Financeiras - IAS 1
2. Demonstração de Fluxos de Caixa - IAS 7
3. Adopção pela primeira vez das Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro - IFRS 1
4. Políticas Contabilísticas, Alterações nas Estimativas Contabilísticas e Erros - IAS 8
5. Divulgações de Partes Relacionadas - IAS 24
6. Activos Intangíveis - IAS 38
7. Activos Fixos Tangíveis - IAS 16
8. Activos não correntes detidos para venda e unidades operacionais descontinuadas - IFRS 5
9. Locações - IAS 17
10. Custos de Empréstimos Obtidos - IAS 23
11. Propriedades de Investimento - IAS 40
12. Imparidade de Activos - IAS 36
13. Interesses em Empreendimentos Conjuntos e Investimentos em Associadas - IAS 28 e IAS 31
14. Concentrações de Actividades Empresariais - IFRS 3
15. Investimentos em Subsidiárias e Consolidação - IAS 27
16. Exploração e Avaliação de Recursos Minerais - IFRS 6
17. Agricultura - IAS 41
18. Inventários - IAS 2
19. Contratos de Construção - IAS 11
20. Rédito - IAS 18
21. Provisões, Passivos Contingentes e Activos Contingentes - IAS 37
22. Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo - IAS 20
23. Os Efeitos de Alterações em Taxas de Câmbio - IAS 21
24. Acontecimentos Após a Data do Balanço - IAS 10
25. Impostos Sobre o Rendimento - IAS 12
26. Matérias Ambientais (sem correspondência)
27. Instrumentos Financeiros - IAS 32, IAS 39 e IFRS 7
28. Benefícios dos Empregados - IAS 19

A NCRF-PE é uma norma destinada a entidades de pequena dimensão e com necessidades de relato mais reduzidas. Condensa os principais aspectos de reconhecimento, mensuração e divulgação extraídos das NCRF, tidos como requisitos mínimos aplicáveis àquelas entidades.
Em matérias não previstas na NCRF-PE, o regime supletivo é o das NCRF.

Em jeito de conclusão, pode-se dizer que este artigo pretende somente oferecer aos seus leitores uma visão global da maior mudança ocorrida em Portugal na normalização contabilística depois da introdução do POC em 1977.

Quer dominar o Excel para gestão de empresas? Inscreva-se no nosso curso online!

Deixe os seus comentários

Comentar como convidado

0
Os seus comentários estão sujeitos a aprovação
termos e condições.
  • Nenhum comentário encontado